[Vinhos Verdes] A Quinta de Carapeços e sua bela casa

Uma coisa que eu vi bastante lá na região dos Vinhos Verdes foram casas antigas, da época da colonização do Brasil, em perfeito estado e sendo usadas pelo pessoal não só como recepção para visitantes mas para morar também.

É o caso da Quinta de Carapeços, uma vinícola pequena, familiar, e que está baseada em uma mansão lindíssima, que vale muito a visita.

Mas não pense que são totalmente tradicionalistas. Eles gostam de inovar e fizeram até um vinho de Colheita Tardia, que eu provei e achei bem interessante.

E se você der sorte (ou agendar antes), pode ser que consiga provar o vinho com um doce de abóbora que eles tem por lá que é maravilhoso. Para ficar horas comendo e apreciando.

Veja abaixo alguns dos vinhos degustados:

 

Eira dos Mouros 2011
Trajadura, Azal, Arinto.
Aromas doces com destaque para pêra. Na boca é cítrico, final médio, mas que deixa um residual interessante.

Quinta de Carapeços 2011
Alvarinho e Trajadura.
Aroma bem adocicado, marmelo. Na boca é bem intenso, final bem marcado. Boa acidez. Parece que deixa um pouco de amargor no final.

Quinta de Carapeços Alvarinho 2011
Logo ao ser servido o vinho traz aromas lácteos, na boca traz um pouco de fruta passa. O final também fica marcado, mas parece mais ameno.

Quinta de Carapeços Escolha Alvarinho 2011
Esse eu adorei! Feito com barrica. Surgiu por acaso porque uma safra (2006) estava com muito álcool e tiveram a idéia de colocar em barrica.
A aceitação foi muito boa e depois disso colocaram em linha. Aromas mais doces e mais familiares, lembrando alguns vinhos com a Chardonnay.

Quinta de Carapeços Reserva Alvarinho 2011
Esse passa 12 meses em barrica. Depois do sucesso do Escolha, resolveram lançar o Reserva em 2008.
Madeira marcada e aromas bem diferentes, puxando para os aromas internacionais. Na boca tem toques licorosos.

Quinta de Carapeços Espadeiro Rosé 2011
Aromas bem doces. Na boca é bem morango, com muita acidez. No final fica um leve residual.

Eira dos Mouros Rosé 2011
Espadeiro e Touriga Nacional.
A Touriga Nacional aporta alguns aromas a mais, mas ainda fica bem típico da região, mostrando muita acidez e final fácil.

Quinta de Carapeços Reserva Bruto Rosé
Feito em 2006. Não colocaram a safra porque ficaram com medo de que as pessoas não comprassem pela sua idade, mas se encontrar, pode levar sem medo pois o espumante está em perfeitas condições.
Leve toque de levedura. Maçã-do-amor no nariz. Bem vivo na boca e final marcado. Não incomoda e parece bem intenso.

Quinta dos Carapeços Tinto 2011
Um dos melhores tintos feitos com Vinhão que provei, sem tanta acidez e aromas azedos.

Quinta de Carapeços Late Harvest
Feito com a uva Espadeiro, que é clarinha e em geral dá vinhos rosés.
Frutos secos, floral. Na boca tem o toque de fruta seca e um pouco de amargor. Deixa um final bem agradável. É um late Harvest mais leve e bem adocicado.

Se for, procure pelo Miguel. Com certeza ele receberá você bem (e peça o Late Harvest).

Um abraço

Daniel Perches

You Might Also Like

Um comentário

  1. 1

    ESTIVE VISITANDO NO ANO PASSADO ESSA VINÍCOLA. O DOCE DE ABÓBORA DELES É FANTÁSTICO BEM COMO A ARQUITETURA DAS CASAS. OS VINHOS SÃO INTERESSANTES MAS NÃO IMPRESSIONARAM MUITO.
    FORTE ABRAÇO,
    ARTHUR

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>