Verus Furmint 2011 – Vinho branco da Eslovênia

verus_header

Que eu gosto de provar vinhos de países “diferentes” não é nenhuma novidade e nem uma exclusividade. Acredito (e espero) que todo mundo que curta vinhos também tenha esse interesse, afinal de contas, essa é uma das grandes belezas dessa bebida. Conhecer vinhos produzidos em países diferentes, de uvas diferentes ou até de cortes (misturas de uvas) improváveis deixa qualquer enófilo muito contente. E um país que eu considero exótico na produção de vinhos (ou pelo menos na oferta aqui no Brasil) é a Eslovênia. Eu já bebi espumante e tinto de lá e agora me apareceu esse Verus, feito com a uva Furmint. Se já não bastasse o país produtor ser diferente, a uva também não é das mais fáceis. Para quem não está reconhecendo, a Furmint é a uva utilizada na Hungria na produção do vinho Tokaj.

Eu conheci o Verus através do pessoal da Eslavino, uma importadora especializada em vinhos da Eslovênia. Sim, acreditam, isso existe.

verus_furmint_2011OK, país e uvas exóticas. E o vinho? Acreditem, é muito bom e exótico também. No nariz tem uns aromas de frutas brancas, com um fundo de mel e um pouco de mineralidade. Na boca é bem seco, com uma untuosidade bem bacana, mas sem deixar de ser fresco, com bastante acidez. É daqueles que a gente fica querendo beber novamente, justamente por ser bem fresco.

Harmonizar esse vinho não é tarefa fácil, mas eu tentei. Coloquei alguns queijos, uns mais curados e outros mais leves para testar. Tentei também com alguns embutidos como salames e peito de peru. Para ser bem sincero, nada deu 100% certo, mas foi legal a experiência. E na verdade eu gostei tanto do vinho que eu queria beber ele sozinho, sem nada para acompanhar mesmo. Talvez possa ir bem com alguns frutos do mar, mas tem que testar para ver se funciona.

Como eu disse esse é importado pela Eslavino e custa R$ 100. Considerando os custos no Brasil, a procedência e a qualidade, me pareceu uma ótima compra. Se você curte descobrir coisas novas, com certeza vale a pena provar esse.

E em uma passada pelo site da Eslavino vi vários outros interessantes. Pelo jeito a Eslovênia é muito mais rica em vinhos do que eu imaginava.

Um abraço

Daniel Perches

You Might Also Like

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>