Tempranillo

Grandes vinhos espanhóis – AAlto 2008

Esse foi mais um daqueles vinhos que eu tinha na minha adega por alguns anos (comprei do importador, se não me engano, em 2012) e estava lá esperando o melhor dia para ser aberto.

E com a chegada do final do ano, a gente vai fazendo aquele exercício de desapego e eu resolvi abrir a garrafa. Ótima ideia, porque eu ainda não conhecia o AAlto, um Tempranillo feito em Ribera del Duero e não sabia o que estava perdendo.

aalto_2008O vinho é sensacional! Potência, maciez, aromas, enfim, tem tudo o que eu esperava de um grande vinho espanhol. Fica melhor ainda se acompanhar uma boa comida forte e até um bom churrasco. Custa caro no Brasil e até lá na Espanha mesmo (aqui custa uns 400 reais e na Espanha custa em torno de 40 a 50 euros), mas vale cada centavo.

A mesma bodega faz o AAlto PS, que é bem mais caro, mas eu já esto começando a juntar dinheiro para comprar na minha próxima viagem, pois quero conhecer.

Um abraço

Daniel Perches

Vega Sicília Único

Beber vinhos emblemáticos, tops, caros ou raros é sem dúvida algo interessante. Cada um, em qualquer uma dessas características, tem sua beleza ímpar que faz com que, se você estiver atento, tenha uma experiência realmente incrível.

E o Vega Sicília “Único” é um deles. Eu acredito que seja o vinho mais emblemático da Espanha e, com mérito, um dos mais caros.

Tive o prazer de beber esse vinho em uma situação muito especial, na companhia de amigos do vinho e na casa do jogador Daniel Alves, do Barcelona. Quando estive lá, em Setembro/2014, estive na casa dele e no jantar ele nos serviu esse vinho. A safra desse era a 2002, que no caso do “Único” tem uma particularidade, pois ela é sempre composta de várias safras diferentes.

daniel_alves_vega_siciliaBebi o vinho acompanhado de alguns pratos muito interessantes, que para nossa surpresa, foram feitos com ingredientes brasileiros, como uma releitura de pratos espanhóis (projeto novo do jogador, que virá em breve). Contar mais sobre os pratos não me parece necessário, porque na verdade eu não harmonizei nada com esse vinho.

Dessa vez eu preferi comer (e estava fantástica a comida) e depois beber o “Único” separadamente. Ele merecia essa atenção especial.

E mais do que falar de aromas e sabores, acho que o que vale nesse vinho é a experiência. Ele tem taninos super macios, tem complexidade e tem longevidade, mas mais do que isso ele tem caráter. Bebi o vinho e a cada gole, eu pensava em todo o cuidado que tiveram para a sua produção, toda a sua história, todos os grandes momentos em que uma garrafa deste vinho deve ter sido aberta e então acho que entendi, pelo menos um pouco, tudo o que estava envolvido nessa garrafa.

Beber um grande vinho como este, na companhia de amigos em uma viagem e de um jogador tão bacana como o Daniel Alves foi para mim, sem dúvida, uma das minhas maiores e mais marcantes experiências no mundo do vinho.

E espero, sinceramente, que todos possam um dia ter essa sensação, seja onde, com quem e quando for. Se for com um Vega Sicília “Único”, certamente será bem boa.

Um abraço

Daniel Perches

Roda I Reserva 2005 – um vinho fantástico que me surpreendeu

Há tempos que eu vejo os vinhos da Bodegas Roda, de Rioja, na Espanha. São bem tradicionais e conhecidos.

Por falta de oportunidade (e de grana também, porque infelizmente os preços deles não são baixos) eu não tinha ainda provado.

Mas recentemente pude beber o Roda I Reserva 2005. Produzido só com a uva Tempranillo, é daqueles vinhos que a gente demora para esquecer e faz o possível para prolongar o tempo bebendo ele ao máximo.

roda_I_2005Sabe aqueles vinhos super encorpados, mas que não cansam? É, eu sei que é difícil encontrar uns assim, mas esse é desse jeito. É vinho para você abrir, deixar no decanter por algumas horas e ele vai estar ainda inteirão, pronto para ser consumido.

Esse é perfeito para acompanhar um ragú com polenta, uma carne com osso (stinco, por exemplo) ou um bom churrasco com carnes com gordura.

E se você se interessar por comprar esse vinho, ele está em novo importador. Agora é a Ravin que traz.

Um abraço

Daniel Perches

Toro Loco 2013 – Safra nova chegando

Se você bebe vinhos e algum dia acessou a web para procurar quais são os mais populares e mais vendidos no Brasil, certamente se deparou com o Toro Loco. Se ainda não conhece o vinho ou não provou essa nova safra, sugiro que faça isso. Vale a pena.

Ao comprar uma garrafa de Toro Loco, tenha em mente que você vai receber um vinho espanhol, feito com a uva Tempranillo, mas que não passa por barricas ou qualquer outro tipo de amadurecimento. São as uvas fermentadas e engarrafadas. E o que você ganha com isso? Você vai beber um vinho mais leve, com mais aromas de frutas vermelhas, sem aquele toque de barrica, esfumaçado, charuto ou chocolate que você tanto ouve por aí.

toro_loco_2013O Toro Loco é um vinho para você beber com amigos, com uma boa pizza (a Wine.com.br que recomenda em seu site. Eu acho que uma boa seria uma portuguesa), em um churrasco ou até mesmo na beira da piscina. Dá para resfriar um pouco o vinho e ele não vai perder muita coisa. Aliás, vai só ganhar.

Compre e prove o Toro Loco, afinal de contas provavelmente seus amigos do vinho vão falar sobre ele. Vale a pena ter a sua opinião, mas para fazê-la eu sugiro que você leve em conta toda a proposta do vinho, que é um pouco do que eu contei acima, além de ser uma ótima opção para o dia a dia sem gastar muito.

Se a safra anterior foi sucesso de vendas, essa deve ser também. O vinho veio mais macio, com mais aromas frutados e com um toque levemente mais doce na boca.

E aí, encara esse Toro ou vai deixar o seu preconceito te levar?

Um abraço

Daniel Perches

 

Coronas Tempranillo 2011

Coronas é um vinho que muita gente deve conhecer aqui no Brasil, pois é feito pela vinícola Miguel Torres, na Espanha. Essa vinícola não só é bem antiga, mas seus vinhos estão por aqui já há algum tempo e pela sua qualidade, dá para entender que estejam na cabeça dos enófilos.

coronas_tempranillo_2011E esse Tempranillo (lá da região da Catalunya) tem algumas características bem bacanas que eu acho que vale a pena conhecer. É daqueles vinhos macios, fáceis de beber, mas não quer dizer que é levinho. Precisa ter um bom acompanhamento e eu diria que no mínimo um risoto de calabresa (foi o que eu testei e deu certo) ou claro, uma boa carne na brasa.

Você vai encontrar aromas de frutas, mas também toques defumados e de especiarias no final, deixando ele bem interessante. A Tempranillo é uma uva bem legal que vale ser bebida com atenção. Você vai certamente encontrar vinhos feitos com ela bem complexos, principalmente da Espanha. Se quiser um bom intermediário tanto em complexidade quanto em preço, o Coronas cumpre bem a função.

Os vinhos da Miguel Torres são importados pela Devinum no Brasil.

Um abraço

Daniel Perches

Marqués de Riscal Reserva 2008

O vinho Marqués de Riscal é um clássico. Quem ainda não conhece, vale a pena. E se for à Rioja, a visita à Bodega, que tem um design bem arrojado, como pode ver na foto aí em cima.

Veja o vídeo da degustação.


Um abraço

Daniel Perches

Embocadero 2010 – Tempranillo Top custando em torno de 50 reais

De vez em quando, no meio de um monte de vinhos que provo em feiras e eventos, eu acabo encontrando um como esse Embocadero, do produtor San Pedro Regalado. Eu já tinha até ouvido falar dele e me lembro de ter visto o seu rótulo lá na loja da Grand Cru, que é a importadora, mas nunca me atentei muito e sempre passou batido.

embocadero_2010O fato é que eu estive no Grand Tasting, evento da importadora que apresenta as novidades e seu portfólio para o mercado e passando pela mesa denominada “Espanha, a Terra do Tempranillo“, lá estava ele, no meio de outros Tempranillos, para ser degustado. De todos os que eu provei, esse foi o que mais me chamou a atenção e fiquei ainda mais contente quando soube o preço. Custa R$ 52,00 lá no site (e provavelmente na loja deva custar a mesma coisa).

Feito 100% com a uva Tempranillo, é um vinho porrada. Tem bastante aroma de fruta negra e toques de especiarias muito legal. É um vinho que tem bastante tanino também e na hora pensei que uma boa carne seria uma parceira ideal para ele.

Eu gosto de Tempranillo assim, bem porrada mesmo. Quando bebo um desses, fico pensando em pratos espanhóis e tentando me imaginar lá, bebendo e comendo como os espanhóis.

Esse com certeza entra para a minha wishlist, não só pelo preço, mas principalmente pela qualidade.

Um abraço

Daniel Perches

Alonso del Yerro 2006

Eu tentei fazer uma proposição de beber mais vinhos espanhóis em 2013. Infelizmente até agora a minha performance não tem sido digna nem de figurar entre os top5 países mais consumidos por mim. Sim, uma vergonha e uma falta de comprometimento, mas como dizem que o primeiro passo para a mudança é o reconhecimento, aí está então. Admito que preciso me dedicar mais aos vinhos espanhóis. Pronto, falei!

alonso_del_yerroE nessa levada eu provei outro dia um que eu gostei muito, que foi o Alonso del Yerro 2006, feito 100% com a uva Tempranillo na região de Ribera del Duero. Essa região é uma das mais famosas da Espanha e tem vinhos potentes, estruturados e muitos podem durar anos e envelhecer com qualidade (como é o caso deste, que com certeza aguentaria mais uns 10 anos em garrafa).

O Alonso del Yerro que eu provei estava jovem ainda, com taninos bem intensos, aromas ainda fechados e que precisaram de um tempo de decanter para se mostrarem com mais intensidade. Eu já tinha lido que poderia guardar por mais tempo esse vinho, mas resolvi abrir e testar. Se você curte vinho bem potente, pode mandar bala e abrir o seu, mas se prefere algo mais evoluído, mais macio, recomendo guardar. Nas duas opções, uma boa carne sem muita gordura, como um ojo de bife, me parece que é uma boa escolha.

Os vinhos Alonso del Yerro são importados pela Península Vinhos no Brasil.

Um abraço

Daniel Perches

Valtravieso VT 2006

Sabe aqueles vinhos que você já imagina que vão ser “porrada” logo de cara? Aconteceu isso comigo quando eu vi o Valtravieso VT. Garrafa pesadona, rótulo preto, imponente. Aí vi que era um vinho da região de Ribera de Duero, na Espanha e feito 100% com a uva Tempranillo. Não que isso seja uma regra (e alías, longe disso), mas algo me dizia que vinha algo bem potente por alí.

Dito e feito. Quando abri a garrafa e coloquei na taça já senti que ele não estava para brincadeira. 5 anos de vida e o vinho parecia que tinha sido feito ontem. Sabe aqueles vinhos com aquela cor densa, que você não vê do outro lado da taça? É ele!

No nariz tem aqueles aromas de frutas negras, um pouco de pimenta e um toque de barrica, lembrando baunilha. Na boca é super potente, mostrando que os seus 14,5% de álcool estão ali, firmes e fortes.

Eu bebi esse vinho com um risoto de funghi com um medalhão de filé bem temperado. Foi muito bem. É bem verdade que eu acho que o vinho ainda passou um pouco por cima da comida, mas tudo bem. Como era um dia especial (aniversário da minha esposa),  tinha muito mais em jogo do que o vinho e a comida. E assim ficou tudo perfeito.

É um vinho que eu recomendo para quem gosta daqueles bem fortes, estrututurados. Ah, se quiser deixar ele na adega por mais alguns anos, acho que não vai ter problema nenhum. E se quiser saber mais sobre o vinho, veja o site da Valtravieso. A importadora é a Wine Society.

Um abraço

Daniel Perches

Sabor Real Tempranillo 2008 – 90 pontos do Parker e custa menos de 50 reais

Sabor Real é um vinho de uma vinícola relativamente nova, a Bodega Campiña, mas que pelo jeito veio para arrebentar. O vinho da safra 2008, feito com a uva Tempranillo, ganhou nada menos do que 90 pontos do Robert Parker.

Não resisti e comprei no supermercado e provei.

Na Estrada do Vinho – O. Fournier (Episódio 1)

Primeiro episódio (de dois) que gravamos na Bodega O.Fournier, em Mendoza. Uma belíssima bodega, com uma arquitetura premiada.