espumante brasileiro

Espumante Perini No 1

A Vinícola Perini lançou um novo espumante, chamado No 1. É feito com Chardonnay e Pinot Noir e agora é o top da vinícola. Eu provei e gostei, tanto do espumante quanto da caixa que ele vem.

Um abraço

Daniel Perches

Espumante Intenso by Salton – o espumante que eu bebi durante o jogo contra a Alemanha

Recentemente estive novamente na Vinícola Salton para fazer mais um Winebar, uma degustação ao vivo pela web, que dessa vez teve a presença do Gregório Salton e das meninas do laboratório. Foi muito bacana conversar com eles e entender um pouco mais sobre esse lançamento, que segundo o pessoal de lá, foi idealizado para “momentos de comemoração”.

Eu gostei bastante tanto do espumante quanto do preço (40 reais na vinícola). Veja mais sobre ele nesse vídeo.

Um abraço
Daniel Perches

Espumante Salton Brut Reserva Ouro de cara nova

Recentemente estive na Vinícola Salton para fazer mais um Winebar, a nossa degustação virtual (veja o projeto aqui) e um dos vinhos provados foi o espumante Reserva Ouro, que agora está de cara nova, tanto no formato da garrafa quanto no rótulo.

salton_reserva_OuroO vinho base continua praticamente o mesmo (Chardonnay, Pinot Noir e Riesling), feito pelo método Charmat. A diferença é só no visual, que para mim ficou muito mais atraente. Eu sempre gostei muito desse espumante, não só pela qualidade mas também pelo preço. Agora tenho um motivo a mais para comprar.

Veja mais sobre ele na loja virtual da Salton.

Um abraço

Daniel Perches

Provando de novo o Bortolo Mascarelo Brut Rosé

Depois de 3 anos, voltei a provar o espumante Bortolo Mascarelo Brut Rosé, que é brasileiro e feito pelo método Champenoise. Na época eu comprei duas garrafas, bebi uma e a segunda acabou ficando no estoque por mais tempo do que eu imaginava. Na verdade, passou tanto tempo que eu esqueci como ele era e resolvi provar de novo a minha última garrafa.

E quando bebi desta vez, não achei nada de especial nele. Cor salmão já partindo para o cobre, pouca acidez, aromas bem escondidos e na boca um toque até oxidado. Mas como poderia ser “obra da idade”, resolvi voltar ao meu post anterior – coisa que eu não tinha feito antes para evitar ter qualquer influência – e vi que realmente não me agradou da vez anterior também.

Veja o vídeo:


É, acho que esse Bortolo Mascarelo precisa melhorar um pouco ainda. Pode até ser que as safras novas estejam melhores, mas essa que eu provei não agradou.

Coisas da vida…

Um abraço

Daniel Perches

Espumante Grand Brut – 12 reais é um bom preço para você?

Outro dia eu estava fazendo compras no Carrefour e resolvi dar uma passada na parte dos vinhos, pois fazia tempo que eu não ia lá. O fato é que eu acabo comprando muitos vinhos direto das importadoras (ou de lojas de amigos meus) e deixo de conhecer as novidades e promoções que os supermercados fazem.

E foi só dar uma paradinha que eu já vi e me interessei por esse espumante, o Grand Brut. Garrafa de 660ml (em geral as garrafas de espumante têm 750ml) e custava R$ 11,90. Confesso que o preconceito falou mais alto e eu já achei que seria algo de baixa qualidade, mas ao ler o contra-rótulo vi que se tratava realmente de um espumante brut (ou seja, seco e feito com uvas viníferas) e produzido pela Vinícola Aurora, especialmente para a rede Carrefour.

Como estive com eles recentemente e tive boas surpresas com os espumantes – principalmente os mais baratos – decidi comprar. E a curiosidade não me deixou esperar mais do que 2 dias para abrir a garrafa.

Espumante Grand Blanc BrutE para minha alegria, o espumante não só era bem correto, como era agradável. Nada de complexidade e nada de ficar falando de aromas, mas posso dizer que ele cumpre muito bem o papel de um espumante brut (seco).

Vejam bem, meus amigos, estamos falando de um espumante (mesmo que com um pouco menos de líquido na garrafa) que custa R$ 11,90.

Então fica a dica para aquele dia que você não está a fim de ficar analisando aromas ou harmonizando comidas e vinhos e coisas desse naipe. Compre um Grand Brut, gele, abra, beba e seja feliz.

Um abraço

Daniel Perches

* E para aqueles que gostam de fazer conta, se a garrafa fosse do tamanho “normal”, de 750ml, custaria R$ 13,52.

Espumante Salton Evidence

Com a boa oferta de espumantes brasileiros de qualidade que temos, muitas vezes fica até difícil de escolher. Sempre que me pedem uma indicação, preciso pensar bastante para tentar ser o menos injusto possível. Tem coisa muito boa feita aqui no Brasil, que aliás, sempre achei que deveria focar mais na produção de espumante do que de vinho tinto.

Espumante Salton EvidenceE um dos que eu gosto bastante é o Salton Evidence, um espumante feito com 70% de Chardonnay e 30% de Pinot Noir pelo Método Champenoise. Com ótimos aromas que lembram um pouco de fermento e na boca tem bastante estrutura e complexidade. É daqueles que eu gosto de beber como entrada, com uns queijos para acompanhar, mas dá tranquilamente para acompanhar uma boa refeição, até com pratos mais intensos e pesados.

Toda a qualidade vem aliada a um preço compatível. Custa em torno de 70 reais no varejo. Não é dos mais baratos, mas estamos falando aqui de um espumante de alto padrão, então pode ser que se justifique.

Sei que fazia tempo que eu não bebia um e recentemente estive lá na Salton e comprei uma garrafa. Essa não durou 1 mês na adega e já foi aberta e foi uma alegria só.

Um abraço

Daniel Perches

Espumante Salton Gerações Antonio Domenico Salton

O espumante Antonio Domenico Salton foi lançado em 2012 e recentemente participou de um Winebar, a degustação ao vivo via web. Como é um dos espumantes top da vinícola, eu já imaginava que fosse agradar e não deu outra.

salton_geracoesCom o nome dado em homenagem ao fundador, a linha Gerações vai homenagear diversas pessoas que fizeram a história da Salton ao longo dos seus mais de 100 anos de história. Homenagem justa por sinal, afinal de contas a vinícola transformou-se numa das maiores do Brasil. Além do nome há também um adjetivo, que no caso do Sr. Antonio é “Desbravador”, pois foi ele quem veio da Itália para o Brasil e começou a plantação. Se você reparar no rótulo, verá que tem um barquinho ao lado. É o símbolo que encontraram para fazer a referência.

Esse espumante é feito com 50% de Chardonnay e 50% de Pinot Noir e ficou “estagiando” com as leveduras por 3 anos, um tempo bastante longo, que tem como resultado um espumante intenso, com muitos aromas de fermento, frutas brancas, leve toque de baunilha e mel e na boca com bastante corpo. É daqueles espumantes que estão mais para acompanhar uma refeição do que simplesmente para um brinde. As harmonizações podem ir desde as “clássicas”, com ostras por exemplo, até as mais inusitadas como carnes bovinas e suínas.

Com esse espumante a Salton confirma a vocação brasileira para fazer essa bebida com qualidade. Vale a pena conhecer.

Um abraço

Daniel Perches

.Nero Blanc de Blancs Golden Conceptual Edition

Em tempos em que todas as opiniões emitidas recebem críticas de todos os lados e o que não falta são moralistas de todos os tipos, dá até um pouco de medo de falar a verdade e ser bem sincero, mas vamos lá: eu sempre tive dificuldade de perceber a “grande qualidade dos espumantes blanc de blancs”.

Certo, se você não sabe o que é Blanc de Blancs, é simplesmente o espumante feito 100% com Chardonnay. Adorado por muitos, venerado por outros tantos, esse estilo é, para muitos produtores, fonte de boa renda. Já estive em degustações que o Blanc de Blancs custava mais caro que alguns tops da vinícola.

.Nero Blanc de Blancs Golden Conceptual EditionBem, depois desse desabafo, vem a minha alegria ao provar esse .Nero Blanc de Blancs Golden Conceptual Edition, que apesar do nome em inglês, é feito pela vinícola Domno, lá no sul do Brasil.

De cara, ao cheirar o vinho, senti que era bem legal. Aromas complexos, visual bacana (a começar pela garrafa, toda trabalhada) e na boca então, um show. É daqueles espumantes que eu tenho vontade de beber devagarinho, apreciando, esperando que a garrafa nunca acabe. Fiz ela render bastante e provei com vários pratos e realmente é um bom companheiro para vários pratos, desde entradas leves até uma massa recheada com passas, nozes e ricota e molho branco. Só não deu tempo de provar com a sobremesa, porque isso já seria demais.

Pelo que vi, deve ser uma edição limitada, então se você encontrar por aí, vale a pena comprar e experimentar.  Aliás, vale a pena prestar atenção à Domno, que começou como produtora de vinhos e agora é importadora também. Os caras não brincam e trazem sempre vinhos bons e baratos, de vários países.

Um abraço

Daniel Perches

Adolfo Lona Pas Dosé Nature – um dos melhores espumantes brasileiros para mim

Eu conheci o Adolfo Lona por conta do Encontro de Vinhos e fiquei fã do cara. Ele é argentino e trabalha no Brasil há muitos anos e faz espumantes como ninguém.

Em meu primeiro contato com os espumantes dele, eu já fui direto para o Orus, um espumante rosé de altíssima qualidade e delicadeza impressionante. Mas depois eu parti para conhecer outros e realmente o cara sabe o que está fazendo.

adolfo_lona_nature_pas_doseEsse, um “Pas Dosé” Nature, ou seja, sem aquele Licor de Expedição que contém açúcar. O resultado é um espumante complexo, mas ao mesmo tempo fácil de beber. Aromas cítricos se mesclam com toques de fermentação e de flores brancas. Na boca uma acidez na medida. Daqueles para ficar bebendo com calma sem se cansar.

Eu abri uma de minhas últimas garrafas do estoque no começo de 2014 para dar sorte. Espero que traga sorte para mim. Para o Adolfo Lona eu não sei se trará sorte, mas um pouquinho de dinheiro com certeza virá, porque eu já vou fazer o meu próximo pedido.

Se você gosta de espumante, não deixe de provar esse. Vale muito a pena.

Um abraço

Daniel Perches

Espumante Dunamis Brut Blanc de Blancs

A Dunamis acaba de lançar dois espumantes e eu provei um deles, o Brut. Feito com uvas Chardonnay da região de Cotiporã (perto de Bento Gonçalves, é um belo exemplar brasileiro.

Veja o vídeo.


Um abraço

Daniel Perches

Espumante Dal Pizzol Brut Rosé

Sim, meus amigos seguidores do Blog Vinhos de Corte. Por aqui, principalmente nas épocas mais quentes do ano, fala-se muito mais de espumantes, brancos e rosés. Eu não deixo de beber meus vinhos tintos, mas esses mais refrescantes acabam sendo preferidos por motivos óbvios (além de minha preferência de gosto mesmo).

E estou com alguns espumantes da Dal Pizzol para provar e o primeiro foi esse, o Dal Pizzol Brut Rosé, que é feito com as uvas Chardonnay e Pinot Noir. Apesar de haver um pouco de uvas brancas (a Chardonnay, no caso) na elaboração, a tinta da Pinot Noir prevalece fortemente na cor desse espumante, deixando-o com um tom cereja bem intenso.

É um espumante que tem aromas mais adocicados, mas atenção, ele é seco. Aliás, é sempre bom lembrar: quando vier escrito “Brut” no rótulo, pode saber que o espumante será seco.

dalpizzol_Brut_RoseNa boca ele tem sabores que lembram frutas vermelhas frescas e é bastante intenso, daqueles que podem servir facilmente para acompanhar uma entrada como bruschettas (aquele pão italiano servido em fatias e com alguns recheios), queijos amarelos maturados, mas também pode ser uma boa para acompanhar um prato feito com camarão, por exemplo. Outra idéia que me veio à cabeça quando provei foi tentar com Strogonoff, mas ficou só na idéia mesmo. Se alguém tiver a oportunidade de fazer essa harmonização, eu gostaria de saber se deu certo.

Para saber mais sobre a Dal Pizzol, acesse o site deles. É uma vinícola tradicional da região de Bento Gonçalves (mais especificamente em Faria Lemos) que faz os vinhos e espumantes que levam o nome da vinícola, mas também têm uma outra linha que é bastante conhecida, a “Do Lugar”. Eles têm também um suco de uva que eu gosto bastante e que vale a pena provar.

Em breve venho com outros espumantes deles aqui.

Um abraço

Daniel Perches

Espumante Perini Brut Champenoise

Ele voltou! Depois de uns 3 anos sem provar, aqui estou de novo com uma garrafa do Espumante Perini Brut Champenoise, produzido pela casa de mesmo nome lá no Sul do Brasil, com as uvas Chardonnay e Pinot Noir.

Faz tempo que eu não provo, mas não é por falta de oportunidade. Eles estiveram recentemente no Encontro de Vinhos, mas eu que não consegui parar para beber. É, nem sempre dá para provar tudo o que a gente quer.

Mas o que importa é que ele voltou à minha taça, e que aliás, dessa vez eu resolvi provar em uma de vinho branco. Se você acha um sacrilégio, tente deixar seus dogmas de lado e prove e verá que não só fica legal como você vai sentir muito mais aromas e tornar a sua degustação ainda mais interessante.

Quando coloquei essa foto lá no Instagram e no Facebook, eu imaginei que o pessoal ia comentar e talvez gerar insatisfações, mas fiquei contente de ver que tem mais gente que bebe também assim, e até em taça de vinho tinto.

perini_brut_champenoise

Agora falando um pouco sobre o espumante, ele é fresco e leve, com toques de frutas leves, um pouco de flor e bastante cítrico. Bem interessante no nariz, mas na boca também.

Seguramente dá para acompanhar uma boa refeição, desde frutos do mar, massas com molhos brancos e até carnes, mas eu gostei mesmo foi de apreciar esse espumante sem acompanhamento.

Custa em torno de 40 reais (mais barato se comprado direto da vinícola) e agrada muito. Eu só não gosto do rótulo laranja, mas já é um ponto pessoal e que espero que não influencie nas vendas. De qualquer forma, é uma ótima opção de espumante brasileiro. Aliás, tenho provado alguns vinhos da Vinícola Perini e gostado do que conheci. Se puder, vale a pena conhecer e tirar a prova.

Um abraço

Daniel Perches