Site do Vinho Brasileiro – Do Início ao Fim

Carlos e Karin Arruda tinham um site sobre o Vinho Brasileiro (http://www.sitedovinhobrasileiro.com.br/). Resolveram parar e explicam porquê (abaixo, na íntegra). É mais um acontecimento que me deixa cada dia mais preocupado com o dano que o IBRAVIN causou à imagem do produto que eles mesmos defendem. Não consigo entender como uma entidade que trabalha oficialmente em prol do vinho brasileiro possa ter feito tamanha trapalhada. Continuo esperançoso de que esse pedido absurdo de salvaguarda não seja concretizado e que o tempo para a recuperação da imagem perdida seja curto. Tenho grandes amigos produtores de vinho no Brasil que não merecem sofrer com esse enorme erro.

Abaixo, texto de Carlos Arruda, da Academia do Vinho.

======================

SITE DO VINHO BRASILEIRO: DO INICIO AO FIM

 

Cinco anos após o lançamento do Guia dos Vinhos Brasileiros (2001), a Academia do Vinho decidiu novamente investir esforços na divulgação do vinho brasileiro, usando o prestígio alcançado pelo site.

O momento era propício -2006– com o espumante brasileiro conquistando vitórias no exterior, muitas vinícolas consolidando sua atuação com lançamentos de vinhos premium, e as regiões da Serra Catarinense e Serra do Sudeste despontando como promessas de qualidade.

Naquele momento, a seção Brasil da Academia era a única fonte de consulta sobre as regiões vinícolas de nosso país, mostrando inclusive muitas vinícolas e seus vinhos.

A notoriedade do site, com milhares de links apontando para nosso endereço, levou diversos sites internacionais a apontar para ela como importante espaço de estudo, pois era a única fonte aberta disponível sobre o assunto – vinho brasileiro.

Na época o IBRAVIN estava evoluindo sua atuação junto à comunidade vinícola gaúcha, com o lançamento do Cadastro Vitícola do Rio Grande do Sul, publicação técnica em CD-ROM com um levantamento extensivo de nossa produção vitivinícola.

Como essa entidade ainda não possuía um site com informações sobre o vinho brasileiro para os consumidores, propusemos a eles a montagem e operação de um site completo, que passaria a ser o site oficial de nossa vinicultura. Seria uma união de forças para a informação do consumidor, ainda bastante preconceituoso com nossos vinhos.

Essa proposta foi apresentada oferecendo toda a montagem técnica e inserção de conteúdo bancada pela Academia, cabendo ao IBRAVIN apenas um custo mensal de manutenção editorial do site.

Vários meses se passaram e nos nossos contatos constantes com a diretoria do IBRAVIN ouvimos que eles gostaram muito do projeto e também confessaram sua total impossibilidade financeira para a realização do site, devido à omissão do governo do RS nos repasses dos recursos do Fundo Vitis, verba única de operação da entidade.

Vimos o IBRAVIN reduzir drasticamente o quadro de funcionários por falta de dinheiro…

Como forma de viabilizar o projeto, propusemos a montagem do site com nossos recursos, conforme previsto e a criação de um fundo de manutenção composto por uma taxa simbólica mensal de participação, paga pelas vinícolas que desejassem participar do site.

O projeto previa toda a gerência de conteúdo sobre vinícolas e regiões, premiações em concursos, a publicação de editoria de notícias e eventos e também a sinergia com o turismo ligado ao vinho.

O IBRAVIN entraria apenas com seu apoio institucional junto à comunidade vinícola, avalizando nossa proposta e garantindo o acompanhamento do conteúdo publicado.

A proposta foi imediatamente aceita.

Investimos então dinheiro, tempo e energia à concretização desse projeto.

Partimos para uma série de visitas às regiões da Serra Gaúcha e Planalto Catarinense, onde fizemos contatos com associações e vinícolas, apresentando o projeto completo e recebemos de todos que visitamos os maiores elogios à iniciativa.

A figuração das vinícolas teria o custo simbólico de mensal de R$ 39,00.

Uma de nossas viagens coincidiu com a Avaliação da Safra de 2006, onde fizemos novos contatos com vinicultores e entidades.

Terminamos essa jornada com amplo apoio ao conceito do projeto e o compromisso de participação de 94 vinícolas.

O grupo de Santa Catarina – ACAVITIS – não efetivou a participação naquele momento e nunca o fez, por motivos (quase) desconhecidos.

De outubro 2006 a janeiro 2007 nos dedicamos integralmente à montagem técnica do projeto e à reunião de informações sobre regiões, vinícolas, concursos e entidades.

A publicação de notícias e eventos sobre vinho no Brasil já era um dos pontos fortes do site Academia do Vinho e intensificamos a pesquisa de matérias sobre o vinho brasileiro.

Nesse mesmo período começou a divulgação da Fenavinho 2007, a ser realizada em fevereiro, e contribuímos gratuitamente para esse evento com um anúncio na capa do site Academia do Vinho durante vários meses.

Em janeiro recebemos o contato do Vice-Presidente de Marketing da Fenavinho, Diego Bertolini, que manifestou grata surpresa por verificar que quase 50% do tráfego do site do evento provinha da Academia do Vinho.

Como forma de agradecimento, a feira nos oferecia espaço para divulgar nosso trabalho.

Revelamos então nosso projeto para o Site do Vinho Brasileiro e ele ficou bastante empolgado com a idéia de fazermos o lançamento na Fenavinho.

Passamos a trabalhar para essa data.

O IBRAVIN não concordou em usarmos o seu endereço na internet “Vinhos do Brasil” e também em tratarmos nosso site como oficial, claramente desvinculando nosso trabalho da entidade. Assim sendo, definimos o projeto como Site do Vinho Brasileiro.

O lançamento na Fenavinho conforme previsto, no dia 2 de fevereiro, contou com a presença de autoridades e vinicultores (não muitos).

Nesse momento tínhamos mais de 90 vinícolas publicadas, todas as regiões com mapas e informações, um importante rol de notícias e eventos da vinicultura nacional e a alusão explícita das parcerias oficiais com o IBRAVIN e a Embrapa Uva e Vinho.

De imediato o Site do Vinho Brasileiro se mostrou a única fonte completa de informações sobre a vinicultura nacional e logo se tornou muito visitado, graças à força de divulgação da Academia do Vinho.

Os esforços pessoais e financeiros para essa realização foram gigantescos e o único caminho possível era investir ainda mais para o crescimento do projeto, acreditando no suporte dado pela comunidade vinícola e na promessa do IBRAVIN de contribuir financeiramente para a manutenção do projeto quando sua situação se normalizasse pela volta do repasse do Fundo Vitis.

Um mês depois do lançamento, emitimos a primeira cobrança geral para as vinícolas participantes. Para nossa surpresa, das mais de 90 vinícolas com quem havíamos firmado acordo, apenas 36 mantiveram seu compromisso de participação.

Das restantes ouvimos diversas explicações, variando entre “nunca combinamos nada” até “não temos condições de participar”.

Um vinicultor de terno e sapatos italianos e uma Mercedes Benz estacionada chegou a pedir um “desconto” sobre os R$ 39,00.

Começamos a descobrir que, ao contrário dos nossos princípios, para muitos daquele setor os apertos de mão são apenas cordialidades, não significam compromisso.

Perante tamanha decepção, percebemos que nosso investimento seria impossível de recuperar em curto prazo (se fosse algum dia) e que a manutenção de todo o trabalho editorial não seria nem minimamente remunerada.

Ainda assim decidimos levar adiante o projeto, confiando em uma mudança de postura, na adesão progressiva das vinícolas contatadas anteriormente e de outras emergentes.

Teimosos? Cegos? Preferimos nos autodenominar otimistas.

Importante lembrar que o Site do Vinho Brasileiro não tem e nunca teve nenhuma forma de publicidade, para ser uma fonte institucional de informações totalmente isenta.

Todas as vinícolas, desde a menor e estritamente familiar até a holding internacional, dispunham do mesmo espaço de divulgação, com o mesmo destaque, a mesma possibilidade de expor seus produtos, notícias e prêmios, pelo mesmo preço.

O tempo passou e mantivemos nosso Site do Vinho Brasileiro em operação como uma forma de suporte e incentivo ao Vinho Brasileiro, defendendo nosso sonho de contribuir para a desmistificação e queda do preconceito esse produto.

Temos plena consciência da importância da nossa atuação na mudança da postura do público nesses 5 anos.

Conquistamos uma média de 870 visitas diárias e a 8ª posição no Google para a consulta [vinhos].

Nesse ínterim diversas vinícolas abandonaram o projeto, alegando “corte de verbas” e “ausência de resultados” e algumas poucas ingressaram.

Temos pena de uma empresa que não pode investir 39 reais mensais em divulgação. Melhor fechar as portas…

Nosso agradecimento especial a Ademir Brandelli, proprietário da vinícola Don Laurindo, primeira empresa que “comprou a idéia”, acreditou no potencial deste projeto e nos enviou material completo para figuração.

Enquanto isso, o IBRAVIN mantinha sua pressão junto ao governo do RS para conseguir as verbas de atuação definidas oficialmente, então suspensas devido à caótica situação financeira do estado.

Em todos os frequentes contatos reiteramos junto ao IBRAVIN nossa dificuldade em manter o projeto em operação com a baixa participação das vinícolas e ouvimos do Diretor Executivo Carlos Paviani que “o momento certamente chegará para os apoiarmos”.

O jovem e empolgado Gerente de Marketing da entidade, recém empossado, nos externou a necessidade do instituto de ter um site oficial para o vinho brasileiro e nos garantiu que quando tivessem recursos nosso projeto seria absorvido e nosso trabalho passaria a ser utilizado no site Vinhos do Brasil.

Uma proposta para essa atuação foi solicitada e enviada prontamente, apresentando uma disponibilidade em aberto para nossa participação dando continuidade à divulgação do Vinho Brasileiro.

Quando os repasses de verbas se normalizaram, nenhuma dessas promessas foi cumprida, nossos contatos foram respondidos laconicamente e as campanhas milionárias do Vinhos do Brasil foram ao ar.

Tivemos então a certeza de que ali os apertos de mão são apenas cordialidades, não significam mesmo compromisso.

Parece que tudo (marketing, design, holofotes, colunas sociais, celebridades) é mais importante do que realmente fazer um trabalho sério e completo de divulgação do vinho brasileiro.

O site Vinhos do Brasil se tornou uma plataforma publicitária patética e as poucas informações ali presentes sobre nossa vinicultura de forma nenhuma representam a vinicultura nacional. É um desserviço ao verdadeiro universo dos vinhos do Brasil divulgar essa plataforma, tanto no Brasil como no exterior. É um resumo pobre e medíocre da enorme diversidade de nossa produção.

O mapa das regiões vinícolas brasileiras ali apresentado foi montado sobre a base cartográfica fornecida pelo Site do Vinho Brasileiro, então solicitada pelo staff do IBRAVIN. Não há sequer o crédito pela imagem.

Dinheiro não lhes falta para fazer um trabalho primoroso. As campanhas apresentadas escoam verbas pelo ralo. As agências de publicidade devem estar rindo de orelha a orelha.

Conhecimento técnico nós oferecemos, mas foi desprezado em favor de outras prioridades, sabe-se lá quais.

Nosso trabalho foi desprezado e não fizeram nada nem minimamente parecido. Uma pena.

É por absoluta incapacidade de manter esse projeto em atividade que finalmente abrimos mão desse sonho que virou pesadelo.

O trabalho é lindo, mas como já diziam nossas avós, beleza não põe a mesa.

Manter a atualização exige tempo e dedicação, que hoje pagamos para fazer. Infelizmente temos contas a pagar, não dá para viver de formosura.

Nesse momento em que decidimos encerrar a operação do Site do Vinho Brasileiro temos apenas 17 vinícolas participantes, às quais agradecemos vivamente o apoio:

Adega Chesini, Aurora, Botticelli, Casa Valduga, Cave de Amadeu, Cordilheira de Sant`Ana, Dal Pizzol, Dom Cândido, Don Laurindo, Lídio Carraro, Nova Aliança, Perini, Salton, Sanjo, Valdemiz, Valmarino, Vinícola Góes.

Nós sabemos o que vivemos, tudo que ouvimos, os compromissos que assumimos (e que cumprimos integralmente), os compromissos que assumiram conosco (e que não foram cumpridos) e dormimos em paz com isso. Nossos princípios de seriedade foram honrados até o ultimo minuto, mesmo com os que não retribuíram na mesma moeda.

Aqueles que acompanharam conosco esse conto-de-fadas-sem-final-feliz sabem perfeitamente que este relato é a mais pura e triste verdade.

Nessa jornada fizemos grandes amigos por quem continuaremos a ter o maior respeito e carinho, mas também aprendemos da forma mais difícil sobre a mediocridade da alma humana quando contaminada pela doença da vaidade e da defesa aos interesses próprios.

Essa é a despedida do Site do Vinho Brasileiro. Não sentiremos saudades.

 

5 de maio de 2012

Carlos e Karin Arruda

Nosso trabalho pelo vinho continua!

www.academiadovinho.com.br

You Might Also Like

2 Comentários

  1. 1

    Nunca ouvi falar desse site, no entanto, é sempre uma pena perder informações sobre vinhos brasileiros.

  2. 2

    O Ibravin nada mais é do que a cara das pessoas que representa. Se a empresa não tem R$ 39,00 e fica achando que o dinheiro público tem obrigação de divulgar seu produto. corte as suas parreiras, escoe seu vinho da cuba para o esgoto.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>