Prosecco, a região da Itália especializada em espumantes

Prosecco, para muitos, é sinônimo de espumante. Pode até ser, mas é também o nome de uma região ao norte da Itália, que é famosa justamente pelos seus vinhos borbulhantes.

Estive lá e pude conhecer um pouco da paisagem, da cultura, da comida e claro, dos vinhos. Os Proseccos ficaram muito populares no Brasil há alguns anos e até hoje são bastante consumidos. Como qualquer vinho, há os bons e os ruins.

Prosecco bom (em geral) é fresco, leve, jovem, com cor clarinha. É claro que há exceções, mas com essa regra você pode se balizar. De todos que eu provei, alguns se destacaram. A maioria não está no Brasil, mas vale guardar essas informações, principalmente se for para lá. Vai ter dica de espumantes bons e principalmente, de excelente preço (em torno de 5 a 8 euros).

San Simone
A vinícola tem o nome da igreja que fica em frente. Tem uma tampa rosca diferente e interessante.
Seus aromas leves e frescos fazem com que seja bem fácil de beber.

Il Concerto
Brut Millesimato 2011 tem aroma mais cítrico. Boca bem potente. Saboroso e com final marcante. Um espumante para não passar despercebido.

Gambrinus
Esse produtor tem um tipo de licor muito famoso na Itália, feito com ervas. Vale provar.

Spavaldo
Prosecco Extra Dry e Brut valem a pena. Mais intensos e mais fortes, mas sem enjoar.

Ville d’Arfanta
Um caráter bastante cítrico no nariz e na boca marcaram esse espumante. Para quem gosta, é um deleite.

SanMartino
Apresentou aromas mais minerais, mesclando com frutas passas. Interessante.

Cantina Colli Euganei
O seu frisante é fácil de beber, daqueles para começar reunião e beber rapidamente uma garrafa.

Barollo
Não confunda com Barolo. Esse tem dois “l”. Trabalha com algumas uvas autóctones como a Manzoni e além dos espumantes fazem também tintos e brancos com Franc e Merlot e Chardonnay e Pinot Bianco. Usam garrafa branca e um celofane amarelo para proteger da luz. Seu espumante Extra-dry é bem fresco, com toques de melão, maçã verde, leve defumado. No final fica um toque de chocolate branco.

Bottega
Espumanti Il Vino dei Poeti está no Brasil e é bastante interessante.

Val d’Oca
Fresco, cítrico, final mais marcado. Menos enjoativo.

Santomé
O pessoal da vinícola vai mandar para o Brasil com outro nome, para não confundir com o outro vinho (aquele de mesa, brasileiro) Prosecco Brut é muito bom, aromático, com um toque de pêssego bem legal. Seu Extra-Dry também vale a pena ser provado. É o mesmo vinho do brut, só com um pouco mais de açúcar.

Castello di Roncade
Brut – mais sério, fruta mais pronta, final marcado. Nao é tão fresco. Extra-Dry Nao é muio enjoativo. Final até que seco para um extra-dry.

De Stefani
Tem só uma fermentação. Congela a uva e deixa fermentando por 1 dia. Elegante, clássico, complexo.

Eugenio
Collavini Fruta leve, fácil de beber. Deixam nos tanques para fermentação longa de 6 meses

Se você gosta de um bom espumante, com essa lista aí acredito que vá se dar bem lá naquela região.

Um abraço

Daniel Perches

You Might Also Like

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>