MaxBrands traz para o Brasil o projeto Magnum Vinhos

Seguindo um ditado popular que diz que “a união faz a força” três aclamados enólogos portugueses – Carlos Lucas, Lucia Freitas e Carlos Rodrigues – criaram um projeto que combina experiência, conhecimentos e irreverência dos três, chamado de Magum Vinhos.

Segundo o trio, “nossa intenção é mostrar o melhor de cada uma destas regiões, através de vinhos que respeitam o terroir, a tradição e as castas portuguesas. Cada garrafa conta uma história”. E assim, cuidam de três vinícolas (ou ‘quintas’, de acordo com os portugueses) nas mais prestigiadas regiões viníferas de Portugal, Dão (Quinta do Ribeiro), Douro (Vinha do Reino) e Alentejo (Maria Mora), cada uma com sua própria identidade.

A Quinta do Ribeiro Santo, em Carregal do Sal, é uma propriedade adquirida e recuperada por Carlos Lucas, com o objetivo de produzir vinhos com personalidade própria. A localidade está no Dão entre pinhais em vales e encostas que vão da Serra da Estrela ao Caramulo. No Douro acontece a produção do Vinha do Reino e a “Maria Mora” é uma homenagem à mulher Alentejana, refletida em uma ilustração de Manuel Ribeiro de Pavia, pintor neo-realista do início do século XX. O Distrito de Mora é um local de grande tradição de vinhos da região, onde a civilização romana produzia vinhos em Talhas – grandes ânforas de barro, que são usadas até hoje. Maria Mora representa as camponesas do Alentejo, jovens e trigueiras, que trabalham em seus campos quentes e calmos. Ali, são produzidos vinhos que combinam os ensinamentos de outrora com a irreverência contemporânea, conferindo-lhe um perfil sóbrio e moderno.

Sobre os enólogos

Carlos Lucas começou sua bem sucedida carreira de enólogo em 1993. Seu trabalho foi iniciado no Dão, embora mais tarde, já na década de 2000, tenha iniciado a produção de vinhos em regiões distintas como o Douro, o Alentejo, a Bairrada e região de Lisboa. Dedicou-se também a produção de vinhos no Vale de São Francisco (Brasil), no Piemonte (Itália) e no Priorat (Espanha).

Lúcia Freitas nasceu na Região do Dão, onde desenvolveu uma forte ligação à vinha e ao vinho. Apesar de a sua formação acadêmica em Química, teve a oportunidade de trabalhar com Carlos Lucas e Carlos Rodrigues na área da enologia em 2005, descobrindo sua vocação na enologia. Seu trabalho nas principais regiões viníferas no país valeu-lhe um lugar de destaque na equipe de Carlos Lucas, assinando inclusivamente alguns vinhos premiados. Em 2010 foi eleita pelo Jornal “O Público” como uma das 10 enólogas mais influentes de Portugal.

Carlos Rodrigues é Bairradino, com uma forte ligação à terra e à cultura do vinho. Durante sua carreira, teve oportunidade de produzir vinhos em várias regiões do país, com especial destaque para a arte de produção de espumantes e aguardentes. Carlos Rodrigues acredita que a arte de fazer vinho não é estática e, por esta razão, sempre aliou a enologia com a investigação e o desenvolvimento, participando em diversos estudos científicos pioneiros com as mais conceituadas universidades portuguesas.

Provei vinhos de todas as regiões e alguns me chamaram a atenção:

Ribeiro Santo DOC Branco 2011
Encruzado e Malvasia Fina
Aroma e sabores cítricos bem interessantes. Vinho vivo, alegre e fácil de beber. Excelente para um dia de calor,

Maria Mora Branco 2011
Arinto e Antão Vaz
Muito floral, bem leve e fácil no nariz. Na boca temo um toque tuti-fruti de leve e no final poderia ser mais redondo.
Trabalham com as duas castas juntas porque a Antao Vaz é aromática mas não tem muita acidez. Arinto tem bastante acidez. A combinação da um vinho mais longevo.

Vinha do Reino DOC Tinto 2010
Touriga França, Tinta Roriz, Tinta Barroca
Feito com as vinhas mais novas e um pouco com as velhas.
Aromas mais adocicados. Boca redonda. Vinho fácil de beber.

ribeiro_santo_reserva_2009Maria Mora Reseva 2009
Syrah, Touriga Nacional, Alicante Bouschet
Esse me agradou bastante. Mais encorpado, potente,com toques de pimenta e frutas. Na boca é mais redondo.

Vinha do Reino DOC Reserva Tinto 2009
Mais elegante e mais complexo, com o álcool mais integrado. Na boca é leve mas potente.

Ribeiro Santo Reserva 2009
Touriga Nacional, Alfrocheiro e Tinta Roriz.
Outro bem legal. Rústico, potente, com bons taninos. Final mais longo e que lembra frutas.

Se for para fazer bons vinhos, que venham mais uniões como estas. Os vinhos da Magnum são importados pela Max Brands.

Um abraço

Daniel Perches

You Might Also Like

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>