Chegou o Descorchados 2014. Veja aqui 15 vinhos selecionados por Patricio Tapia como revelação

capa_descorchados_2014_medium

Patricio Tapia é o jornalista chileno que está à frente do Guia Descorchados, a publicação do gênero de maior respeito na América Latina. Ele esteve no Brasil junto com mais de 30 produtores para apresentar a edição 2014 do seu guia, que no Brasil é editado pela Inner, da Revista Adega.

Patricio é um cara que gosta de descobrir vinhos diferentes e por mais que prove muitos (só para o guia foram mais de  3.000 amostras), ainda se entusiasma quando encontra algo que valha a pena ser mostrado, como os 15 abaixo, que ele apresentou para um grupo de jornalistas um pouco antes do evento de lançamento. Cada um deles tinha um motivo especial, além é claro dos grandes ganhadores. Sugiro que se puder, vá em busca desses vinhos, pois todos são muito interessantes. Meu destaque fica para o Aupa Pipeño, que ainda não está no Brasil, mas se vier, acho que vai dar o que falar.

Talinay Sauvignon Blanc 2013
Tabalí
Valle de Limari
Ele apresenta um frescor no nariz e aromas leves, mas na boca traz algo diferente, marinho, completamente inusitado e que faz com que o vinho torne-se único. Vinho com bastante estrutura e com grande vocação para comida.

BenMarco Torrontés 2013
Domínio del Plata
A diferença deste vinho talvez seja em não ser tão doce e ser um pouco mais cítrico. Na boca é cítrico também e fica com um final bem marcado e com excelente acidez, que pede próximo gole. Um Torrontés diferente e fora do padrão do “fruta ou flor” que estamos acostumados.

Write Bones Chardonnay 2011
Catena Zapata
O vinho vai mudando enquanto está na boca, passando por caramelo, chocolate branco, toques calcários. Não é pesado, tem corpo na medida. Gastronômico e muito bem equilibrado. Um grande vinho branco que pode ser bebido em um grande jantar.

Aupa Pipeño 2013
Maitia
Primeira vez que esse vinho sai do Chile. O enólogo é francês e está contente de ter seu vinho reconhecido. Maioria é de uva País, uma uva que até há pouco tempo era considera de baixa qualidade, mas tem também um pouco de Carignan e Cabernet Franc. Feito com maceração carbônica (não se mói a uva). Turvo, leve, com aromas leves e sinceros,
Pipeño é uma palavra chilena que vem de vinhos que se vendiam em pipas de 4.000 litros (a granel) em Santiago. Os vinhos pipeños perderam o sentido e a qualidade e a vinícola Maitia resolveu tentar resgatar a idéia.

Colección Criolla Chica
Tintonegro
Estão revivendo essa uva que estava praticamente em desuso (usava-se para fazer vinho de mesa no Chile).
Vinho leve e fácil de beber, fugindo do tradicional “madeira, super extração”. Querem mostrar que dessa cepa é possível se fazer bom vinho fino. Aromas leves e vinho fácil de ser entendido. Nada complexo, mas um vinho bacana de ser conhecido.

Pipeño Burdeos
Cacique Maravilha
Vinho feito com Pais e duas outras uvas, leve e fácil de beber. Patrício acha que deve ser bebido com Morcilla. Eu sempre aceito a sugestão de beber algum vinho com Morcilla. As vinhas desse vinho têm mais de 250 anos de idade e o produtor faz com conhecimentos antigos.

República del Malbec 2012
Vinícola revelação do ano 2012
Matias Riccitelli
Um vinho realmente muito bem feito, bem representativo, com um ótimo aroma. Estão fazendo um excelente trabalho.

Eggo Malbec, Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc 2012
Marca revelação do ano e melhor mescla tinta.
Fermentado em âmforas em formato de ovos, esse vinho é resultado da paixão de Juampi, o enólogo, pelos vinhos naturais. Ele faz também um branco muito legal.

Diverso Syrah 2012
Melhor Syrah
Passionate Wines
Estava buscando um vinhedo e encontrou um que os donos pensavam que era Malbec, mas depois descobriram que era Syrah. Estava totalmente selvagem, totalmente natural, sem nada de química. Vinho realmente puro e com ótima estrutura.

Notos Nebbiolo, Tannat 2013
Viñedo de los Vientos
95% Nebbiolo, 5% Tannat
Vinho bastante interessante, mas não tem nada a ver com os nebbiolos que estamos acostumados da Itália.
Trouxe um clone da Itália que faz uma uva menor, para se adaptar melhor ao Uruguai. Muito Tanino e um vinho que parece que pode envelhecer muito ainda.

Marques de Casa Concha Cabernet Sauvignon
Melhor Cabernet Sauvignon
Um vinho clássico, com todos os aromas e sabores que se espera de um bom Cabernet Sauvignon.

Errazuriz The Blend 2011
Eleito o melhor tinto do ano Chile
Maioria de Garnacha e não passou por barrica novas, então ficou mais leve e fácil de beber. Tem também Mourvedre e Syrah, com um pequeno toque de Marsanne e Carignan.
A idéia é fazer um vinho mais gastronômico, fresco, mais voltado para se beber comendo.

Finca Bella Vista 2011
Melhor tinto e Malbec Argentina
Fazem como sempre os vinhos com grande elegância e caráter. Vinho profundo e longo, deixando uma cauda longa, que fica na boca por muito tempo.

Primos 2006
Melhor tinto e mescla tinta (Uruguai)
Pizzorno
Tannat, Cabernet Sauvignon, Merlot, Petit Verdot. Uma delícia de vinho, que mostra que a Tannat não precisa ser aquela “lixa” que às vezes provamos. Um corte excelente de uvas faz com que o vinho seja macio, complexo e muito gastronômico.

Viejas Tinajas Muscat 2012
Melhor Branco e outras cepas brancas (Chile)
Um vinho diferente, que no nariz está um pouco doce e na boca é pouco mais salgado. Talvez pouco conhecido e que vale a pena ser descoberto. Para uma sobremesa pouco doce pode ser algo bem bacana.

E se provar algum desses, me conte.

Um abraço

Daniel Perches

You Might Also Like

3 Comentários

  1. 1

    Qual safra do Marques de Casa Concha Cabernet Sauvignon?
    Já provei o 2011, e ainda tenho 2 garrafa guardadas. É excelente!

  2. 2

    Daniel, Boa Noite

    Tem algum contato de e-mail da vinicola Maitia?
    Sabe se já tem importador no Brasil?

  3. 3

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>